Acordando Palavras – Huánuco, Peru ( Projeto Piloto)

De 2010 até os dias atuais – Huánuco, Peru

A primeira expedição a Huánuco, Peru

Em julho de 2010, durante uma viagem que fiz ao Peru com algumas amigas, fomos convidadas por uma amiga peruana a conhecer a realidade de Huánuco, Peru. Lá existem comunidades formadas pela ocupação desordenada da periferia da cidade. Esses migrantes são campesinos quechuas que abandonaram o campo na ocasião do conflito armado (1980-2000) e vivem num contexto de muita escassez e pobre extrema.

Ficamos nessa cidade duas semanas e conhecemos a realidade dos assentamentos humanos desta localidade. O objetivo deste tempo foi conhecer melhor as demandas da comunidade, realizar oficinas de jogos e atividades educativas com as crianças e uma oficina de formação com mulheres.

A gestação do projeto Acordando Palavras em Huánuco – Construção da proposta de trabalho

Voltei de Huánuco bastante mobilizada pela realidade que conheci no Peru. Eu pessoalmente já estava num processo de desejar encontrar uma comunidade para trabalhar integralmente durante um tempo da minha vida. De alguma forma, eu já havia sido escolhida pelas crianças huanuqueñas.

Durante o segundo semestre de 2010, eu me dediquei a escrever uma proposta de trabalho, em que atuaria como psicopedagoga comunitária, intervindo na aprendizagem de diferentes grupos – crianças, mulheres e líderes comunitárias.

Nesta etapa, além da proposta de trabalho, divulguei o projeto e mobilizei uma rede de mantenedores (em sua maioria doadores “pessoa física”) que sustentariam a proposta durante o ano de 2010.

2011 – o ano de trabalho – Um breve começo de conversa sobre este tempo

Mudei para Huánuco em janeiro de 2011 e lá permaneci até dezembro do mesmo ano. O objetivo deste tempo foi atuar como psicopedagoga comunitária, em que usaria as ferramentas desta área do conhecimento para compor junto com os moradores na luta pelos direitos básicos, viabilizando espaços de desenvolvimento que permitissem aos sujeitos autonomia e a conquista de melhorias nas condições de vida dessa população.

Foram muitas as demandas, que certamente merecem um post longo para mencioná-las!

As ações realizadas foram:

– Oficinas de jogos e brincadeiras;

-Apoio pedagógico;

– Contação de história;

– Construção de um espaço de aprendizagem, gerido pelas crianças com o auxílio de algumas mulheres da comunidade;

-Formação de liderança local (Produto final foi a conquista da energia elétrica);

– Formação de mulheres que passaram a atuar como educadoras;

– Intercambio – em que atuei como psicopedagoga na organização Paz y Esperanza, que atende vítimas de violência sexual e doméstica.

Até os dias atuais

O trabalho em Huánuco segue sob a responsabilidade dos huanuquenos a quem formei em 2011, todos os anos desde então eu volto para lá para reencontrar o pessoal e fazer atividades formativas ( assunto para outros posts!).